quinta-feira, 27 de março de 2008

Editorial

O Governo resolveu conceder tolerância de ponto, no período da tarde na passada quinta-feira, o que gerou um fim-de-semana prolongado, que foi aproveitado para umas merecidas férias de Páscoa. Como sempre, gerou-se a azáfama do costume, as filas enormes rumo ao Algarve, e a corrida desenfreada às Agencias de Viagens para passar estes dias no estrangeiro. Bem, poderíamos considerar uma situação normal, mas com as dificuldades que o país atravessa, com as sucessivas manifestações dos portugueses a reivindicar melhores empregos e condições de vida, parece um contra senso. Mas, a realidade dos portugueses é bem diferente, pois o poder de compra está a baixar cada vez mais, as pessoas vão sucessivamente ultrapassando a sua capacidade de endividamento, incapazes de gerir os seus parcos recursos para fazer fase à sua economia doméstica. Perante isto, deveriam tomar medidas de contenção de despesas, mas continuam a não resistir à publicidade das instituições de crédito que a toda a hora oferecem dinheiro para viagens e outras despesas, muitas vezes sem grandes exigências em termos de garantias. Todos sabemos os problemas que atravessam a economia europeia, a que Portugal não é alheio, em grande parte motivada pela crise do crédito mal parado e falta de liquidez dos Bancos Americanos. Para combater esta crise, o Banco Central Europeu, tornou pública a intenção de subir novamente as taxas de juros (Euribor) o que terá como consequência, a subida das prestações nos créditos habitação. Esta situação, vai originar um maior esforço dos portugueses para cumprir com os compromissos assumidos com os Bancos. Muitas vezes tal situação não é possível, o que desencadeia o recurso à via judicial para a cobrança coerciva. Recentemente, um estudo revelou que as famílias portuguesas são as mais endividadas da Europa, em média cada português deve aos Bancos 11.000 euros, o que reflecte por um lado a facilidade com que se recorre aos empréstimos bancários, e por outro lado a falta de restrições no recurso ao crédito. Este problema só pode ser resolvido com medidas restritivas na concessão de crédito, e com uma maior consciencialização das pessoas, onde estas sintam, que apesar de cidadãos europeus não têm nível económico para fazer a vida que levam, pois está muito acima das suas reais possibilidades.
Director

3 comentários:

voz do povo disse...

Concordo plenamente com as considerações, aqui referidas. Realmente os portugueses habituaram-se a ter um nível que vida que não está de acordo com os seus recursos económicos. Querem fazer vida de ricos com carteira de pobres.

Anónimo disse...

I found this site using [url=http://google.com]google.com[/url] And i want to thank you for your work. You have done really very good site. Great work, great site! Thank you!

Sorry for offtopic

Anónimo disse...

Who knows where to download XRumer 5.0 Palladium?
Help, please. All recommend this program to effectively advertise on the Internet, this is the best program!